Este blog contém pus!

parvo

Enchente no Terreiro

Imagens de enchentes de fiéis religiosos no Terreiro do Paço. O fervor de hoje e de ontem… e provavelmente do futuro.

E se isto foi em Lisboa, já ouvi dizer que Fátima vai estar ainda mais ao barrote! Mas esperemos que desta vez sem chamas…

Ámen… ou amém… oooouu amem! O próximo!

Anúncios

Papado

Aviso !!! (spoiler alert)

Artigo não aconselhado a fanáticos religiosos ou outros, facilmente susceptíveis quanto ao uso de piadas com, ou ao Papa no particular, ou a papas no plural.

 

Neste que é o 266º papado desde São Pedro, temos agora uma nova visita de um Papa a Portugal. E penso que numa sequência e entrelaçar de pensamentos causados especialmente pela expectativa desta vinda do Papa Bento XVI, Joseph Ratzinger a Portugal que descobri a razão porque existe só um Papa e não vários.

É que se existissem vários Papas, The Mamas & the Papas seria provavelmente o nome de um escândalo sexual e não de um grupo de Folk-Rock dos anos 60 e 70. E o que porventura nada teria a ver com algum outro suposto escândalo sexual com crianças mudas sodomizadas em colégios católicos mas muito mais com os Greatest Hits* do dito grupo, que incluí entre outros, o grande êxito, California Dreamin’.

 … Ou talvez a idéia de ter vários Papas e vários papados em simultâneo não seja assim tão boa! Nem assim-assim.

 

* leia-se greitace titece, um trocadilho supostamente feito pelas Mamas e não pelos Papas, acerca delas próprias.


Presidência I

Fazer exercício faz bem à saúde. Quem o diz sou eu!

Agora podem dizer que muitas outras pessoas já o disseram mas nenhuma delas o disse ou escreveu aqui. Tudo isto para dizer o quê? Nada… Eu até só queria falar de pára-choques traseiros. Ou de iogurtes com pedaços de morango. Entre esses assuntos tanto me faz, devo dizer no entanto que já que comecei a falar sobre exercício, agora vou continuar.

Exercício faz bem à saúde.

 

Aliás, deve ser por isso que agora até os presidentes e primeiros-ministros o fazem. Os pássaros fazem-no. As abelhas fazem-no. Longe vão os tempos em que se viam aqueles soberanos gordos, em que só um quadro 16-9 os conseguia pincelar na sua totalidade. O que mais se ouve agora é:

– O presidente em exercício… [acção] em [local] [data (facultativo)].

Ou seja, os soberanos da actualidade não se limitam a caçar veados (ou serão corças?)… Os soberanos também praticam muito exercício. O que até poderia ser algo bom, manterem-se saudáveis e tal, mas que na minha perspectiva acarreta um senão:

Senão.

Estando os soberanos sempre em exercício e em excelente forma física não os arreda de outras funções, tais como:

A governativa?


Oxigénio artificial

 

João Garcia foi o 10.º homem a subir as 14 montanhas com mais de 8000 mt sem oxigénio artificial. 

 in DN

Espectáculo!

Subiu umas montanhas sem oxigénio artificial… E depois? O outro ainda está lá, o natural, e ainda por cima deve ser mais barato!

Se pensarmos que isto é espectacular, posso já começar a enumerar imensas coisas que fiz sem “ajuda” do oxigénio artificial:

  • Primeiro já subi mais alto! Quando fui de avião entre Lisboa e Madrid, uma vez em Maio de 2001, subi mais alto e não custou nada, além da passagem de avião. Achei muito normal e nem precisei de me ambientar aos 6000 metros antes de passar os 8000.
  • Já nadei debaixo de água durante 43 segundos (o meu record!) sem qualquer botija de oxigénio. Apenas em apneia!
  • Trabalho sem qualquer recurso a estupefacientes, alucinogénios, estimulantes, analgésicos, relaxantes ou recurso a oxigénio natural.
  • Costumo estar em espaços fechados com pessoas que fumam e não uso máscara de oxigénio. Tanto mais que poderia haver uma faísca e podíamos explodir todos e ficar reduzidos a cinzas e bocados de carne mal passada.
  • Já andei de elevador sem ajuda de oxigénio artifical. Este facto é ainda mais relevante se juntarmos que o elevador subiu à altura considerável do 4ª andar e o meu vizinho do 2º “soltou” um outro tipo de gás natural à sua saída.
  • Uma vez, na passadeira, um carro já muito velho passou a deitar muito fumo e eu apenas sustive a respiração até à fumarada passar e não precisei de ajuda de oxigénio artificial.

 

Resumindo, da minha parte, este feito só tinha grande significância se ele subisse as montanhas sem alguns dedos, sem o nariz e a respirar por uma botija de dióxido de carbono.

Isso sim, era de HOMEM!

 

Quanto a mim, menti um pouco. Por vezes também necessito de oxigénio artificial no trabalho.

Fascinção

Devido ao meu trabalho até altas horas da noite, tenho-me encontrado bastantes vezes com a mulher da limpeza da minha empresa. Tenho-me encontrado com ela no meu gabinete. Tenho-me encontrado com ela nas escadas. Tenho-me encontrado com ela no elevador. Tenho-me encontrado com ela no átrio. Tenho-me encontrado com ela junto à máquina de venda de sandes, refrigerantes e chocolates. Aliás, parece-me que tenho-me encontrado com ela bastantes vezes, em bastantes sítios diferentes.

Como tudo começou?

Há um tempo atrás

Estava eu a laborar à noite de forma exaustiva a tentar compensar as horas do dia em que não estou a tabalhar, porque de manhã estou ensonado, e porque no final da manhã estou com fome, e porque depois do almoço estou com a barriga cheia e ensonado, e porque no final da tarde estou cansado e não me apetece trabalhar… Logo! Tenho precisado de compensar a minha inépcia e improdutividade com o arrastar das horas de trabalho e tenho ficado até mais tarde*. Nisto, reparei que alguém estava ligeiramente dobrado a tentar aspirar por baixo do armário dos dossiers das funções e competências. Senti um impulso. Parti o lápis que tinha na mão:

– Quero dizer que te acho muito exótica e bonita e acho a tua forma de aspirar, varrer e encerar o soalho bastante sensual.
Oi?

Nesse momento, rapidamente o meu cérebro tentou encontrar uma forma inteligente de expressar o meu desejo contido de forma a ser perceptível para aquela voluptuosa mulher da limpeza:

Quero dizer, que você me faxina… o local de trabalho.

 

* exceptuando em dias de jogos de futebol de competições internacionais

Novo jogo para arcadianos!

O que há uns anos parecia impossível acontecer, aconteceu.

 

Vai estrear em Portugal para todo o continente o novo jogo do PS (não confundir com PlayStation). Esse mesmo, o PEC-Man (não confundir com Pac-Man)!

Esta nova e actualizada versão do jogo PONG que em vez de passarmos a bola para o outro lado da rede, passamos políticas, taxas e impostos, benefícios e deduções fiscais para o outro contribuinte, vai de certeza tornar-se rapidamente num sucesso no mundo dos video-jogos, consolas e mais que tudo, das arcadas. Dos prédios, vielas e assembleias de deputados.

A partir de agora, se alguém perguntar o que estão a jogar, só podem mesmo responder: «Ao PEC!». «Ao PEC?».

– Sim, ao PEC maaan!

 

Requisitos, tipo… máximos:

CPU: Intel Core 2 E8400 ou inferior
Placa gráfica: Gigabyte 8800 GT 512MB ou inferior
Memória RAM: 2GB Kingston ou inferior
Placa de som: Sound Blaster Audigy ou inferior
Disco: 500GB + 300GB SATA2 ou inferior
Sistema operativo: Windows XP ou inferior



Eu, no Verão

Deixou de chover.

Eu, no Verão. Aliás, eu antes do Verão não preciso de fazer dietas.

Eu, no Verão fico sempre mais magro.

Eu, no Verão, fico mais magro porque me peso com menos roupa.

E de chinelos.


Sinal indicativo de mudança de direcção do veículo em marcha

1.01 A introdução

Geralmente não dou muita atenção à estrada e aos veículos que nela circulam.

1.02 Os pobres condutores

O facto de ter motorista e ele ter uma condução suave e perceber as minhas indicações e não ter taxímetro também ajuda. Quero dizer, principalmente a primeira razão. O facto de ter motorista é claramente o que me distingue dos outros condutores. Os outros pobres condutores. Claro que se quisermos ser radicais, eu nem deveria ser considerado um condutor, pois não conduzo um carro. No entanto, conduzo o homem que o conduz. O senhor motorista só faz o que lhe man… o que lhe peço. Daí resulta que me considero tão condutor quanto outros, e por vezes até mais. Mais! Pois como até já acabei por reparar que grande parte dos outros condutores que não têm motorista acabam por ficar muito mais stressados no seu acto de conduzir. A utilização do carro que deveria ser em relação a outros transportes, motorizados ou não, uma alternativa  mais cómoda, eficaz e segura para chegar de ponto A a ponto B, torna-se numa perturbante fonte de nervosismo e ansiedade. Os condutores que se encontram dentro dos carros acabam por ficar tão nervosos e até cometem alguns actos impensados. Por vezes, e até me custa dizer isto, chegam a ultrapassar a velocidade permitida na via em que circulam!

1.03 A paisagem

Dito isto, não significa que não veja o que se passa à minha volta. Consigo apreciar uma bela paisagem, uma bela jante, uma bela condutora, um belo extra…

2.01 Os extras

Existem veículos que possuem elementos extra aos proporcionados num veículo comprado por um pobre condutor.

2.02 O sinal indicativo de mudança de direcção de direcção dos veículos em marcha

Um dos extras que acho mais estranho, especialmente fora da época natalícia, são aquelas luzes coloridas que se encontram na parte traseira dos veículos. Pelo que, até cheguei a questionar o meu motorista acerca do seu uso e utilidade. O que ele me indicou foi que essas luzes eram designadas de luzes de sinal indicativo de mudança de direcção dos veículos em marcha e que serviriam para avisar e indicar uma mudança de direcção dos veículos em marcha, daí o nome. No entanto a função do “pisca”, como é vulgarmente conhecido, tem decaído em uso nos últimos anos em detrimento de outros extras, como o ar-condicionado ou o auto-rádio.

Claro que existem condutores que por serem pobres têm que escolher entre nenhum e alguns extras. Como devem perceber, dinheiro não é problema para mim e como tal forneço a qualquer carro todos os carinhos necessários para me sentir em casa. No carro. Digamos, e num calão de rua para vocês perceberem, ás vezes até chulo a minha viatura! No entanto, deixo aqui a minha sugestão para os fabricantes de carros, para que se façam modelos em que os pobres condutores também possam usufruir da tecnologia em que, de cada vez que o condutor vire para uma determinada direcção, o sinal indicativo dessa mesma mudança de direcção do veículo em causa se ilumine também. Não seria espantoso?

Assim, em vez do pobre condutor ter que escolher entre o extra de ter um auto-rádio, ou ter as luzes de sinal indicativo de mudança de direcção dos veículos em marcha ou mesmo ar-condicionado ou estofos de cabedal ou almofadas para apoio de cabeça, teria só que escolher entre um auto-rádio ou um ar-condicionado ou estofos de cabedal ou almofadas para apoio de cabeça pois as luzes de sinal indicativo de mudança de direcção dos veículos em marcha seriam automáticas e não seriam consideradas um extra. Mais uma vez, quero dizer, extra será sempre, pois ninguém as utiliza, pelo menos para fim a que se destinam:

Á indicação de uma futura, se bem que próxima, mudança de direcção do veículo em marcha como aviso para outros condutores de outros veículos que circulam em seu redor ou ao aliciamento de um possível parceiro sexual!

2.03 A moda do pisca-pisca

2.04 O pisca longo

Igual ao normal, mas mais longo.

3.01 Os limpa-pára-brisas

Mecanismo para limpar o pára-brisas, dotado de escova.


Malditos foliões!

Malditos foliões!

Um pouco da vossa atenção por favor… Por favor!?

Para brincar no Carnaval estão cá todos, agora quando é para varrer os confettis, serpentinas, tampões, recibos verdes, bikinis e cinzas já têm que ir trabalhar!??

Pois! E é precisamente após esta época de reboliço, cor e mulheres desnudadas a temperaturas muito baixas que algumas até ficam com partes do corpo retesadas que quase pensamos que poderão ser estrábicas que estes problemas devem e têm que ser discutidos, e mais que tudo, resolvidos.

Porque é que no Carnaval usamos tantas cores e depois deixamos os recibos… verdes? Estamos à espera que amadureçam? Porque não dar outra cor aos recibos… verdes? É natural que depois já não seriam chamados de recibos verdes, mas sim de recibos-antigamente-chamados-de-recibos-verdes-mas-agora-da-cor-que-combina-com-a-camisa. Ou isso, ou recibo de pessoa que não tem direito ao 13º mês de salário. E subsequentes. E subsídios. E… Penso até que foi isso que sugeriu o Paulo! Sim, esse mesmo, o Paulo Portas!

Mas passar o Primeiro Ministro e ministros e deputados e secretários de Estado e secretárias e motoristas para recibos coloridos podia causar alguma confusão. Com tanta cor até ia parecer o Carnaval. Eu mesmo, pessoalmente, nunca percebi porque se ganha mais salários do que meses no ano mas isto está feito assim, o que é que querem!? Por mim seria, pão-pão, mês-mês. E não havia férias! Havia Carnaval, mas não havia férias!

Agora, e pondo de lado por momentos estas idéias utópicas e concentrando-nos nas opçãos reais para 2010-2011. Que cores devemos usar? Eu escolheria várias, para todos os dias poder fazer pandã! Mas vocês é que sabem.

  • Azul: harmonia, austeridade, monotonia, liberdade, saúde;
  • Branco: pureza, inocência, paz, rendição;
  • Castanho: seguro, calmo, rústico, estabilidade;
  • Cinzento: elegância, humildade, respeito, subtileza;
  • Laranja: energia, criatividade, equilíbrio, entusiasmo;
  • Magenta: luxúria, sensualidade, feminilidade, desejo;
  • Preto: formalidade, morte, mistério, azar;
  • Roxo: alegria, felicidade, idealismo, fraqueza, dinheiro;
  • Verde: natureza, fertilidade, juventude, ciúmes, ganância, esperança;
  • Vermelho: paixão, força, energia, amor, liderança, revolução;
  • Violeta: espiritualidade, criatividade, sabedoria

Olhem, que engraçado. Se calhar o recibo de pessoa que não tem direito ao 13º mês de salário é verde porque é a cor da esperança que a situação mude. Que engraçado. Parece o Carnaval. Engraçado e verde. E azul. E amarelo e vermelho. E cor de pêle… quando…

Ahh! E quanto aos foliões…

Benditos sejam!


Dia dos enamorados

«Será que quem foi atingido pela seta do Cupido celebra o Dia de São Valentim?»

 

Foi triste o que se passou ontem.

Estava um dia tão bonito. Uma temperatura tão agradável. Uma brisa tão singela. Uma chuva tão definida. Um arrepio na espinha.

Estava numa esplanada. Junto ao mar. A beber um refresco. A fumar um cigarro. A ler um jornal.

Naquilo, a minha cara metade veio ter comigo:

– Que estás aqui fazer?
– Estava só a ver as gordas!

Nisto, acabou comigo.

 

 «Será que quem encontrou o seu destino celebra o Dia dos Namorados?»

 

A partir de hoje.

Vou à esplanada. Junto ao mar. Bebo um uísque. Fumo um cachimbo. Leio um contrato.

De preferência um contracto de seguros. E só vejo as pequeninas!

Nisto:

«Será que vou ser acusado de pedófilia?»
«Será… do Guaraná?»

Naquilo.

Coiso.

 

 «Será que quem engata as gajas na net celebra o Dia dos e-namorados?»


Keyser Soze

No outro dia, algures entre a bolsa que uso à cintura, os bolsos do casaco, os bolsos das calças, as meias e as cuecas perdi umas quantas moedas. Dirigi-me à polícia e disse:

– Mas que belo corpo que você tem. Sensual e tonificado. E já agora aproveito para lhe dizer que acho que fui roubado!

Levaram-me para uma sala com um vidro para uma outra sala:

– Aqui estão eles. Os Suspeitos do Costume.

Contudo, parece que a polícia aponta para que seja um tal de Keyser Soze.

– Mas afinal, quem é o Keyser Soze?


Fulano passa para Sicrano

Como sou um boneco, não me interesso muito por desporto. Aliás, o facto de ser 2D não me permite interagir com objectos esféricos ou prismas quadrangulares. Dito isto, sei que tais celebrações sociais fazem parte da vida real e em algum ponto me vou cruzar com elas.

«Fulano, 1 metro e 80, olhos azuis, solteiro, calça o 43.»

Por exemplo, estava eu a fazer um zapping com um span de 45 canais quando passei por um em que estava a dar um jogo de futebol. Por vezes reduzo o zapping a alguns temas e canais situados mais próximos e não a toda lista de canais. Sou assim, reducionista. Não fosse eu ter passado de 3D para 2D! E por momentos fiquei atento ao que se passava no ecrã da televisão e também ao som vindo das colunas da mesma:

«Fulano… Sicrano, faz 1-2 com Beltrano e endossa novamente a Fulano…»

E acontece que quando o jogador, Fulano, que estava a arrepiar caminho pela zona lateral do terreno com a bola bem controlada e onde poderia criar perigo, faz uma inflexão para o interior do terreno para uma área concomitante com outros colegas de equipa e também outros colegas, adversários no jogo, formando o chamado imbróglio, ao que o comentador interpreta e esclarece:

«Fulano não consegue dar profundidade à equipa!»

Pensei que os relatadores e comentadores desportivos em geral, e de futebol em particular fossem criaturas dotadas de uma intelegência superior* e de um raciocínio lógico evoluido* mas talvez esteja errado. Talvez seja por eu ser um boneco mas… não dar profundidade a uma equipa… não será algo de bom? Se ele não dá profundidade, pelo menos não a afunda! Ou não a enterra… Certo!?

* i.e. parecido à/ao meu


À toa…

Aviso já, se me vierem pedir sugestões:

Não dou recomendações à toa.

Dou à Maria ou ao Manuel, mas não à toa!


Argumento

Não vos quero incomodar com mais votações e sondagens, nem sequer vos quero pedir a opinião. No entanto, também não impeço ninguém de o fazer, se quiser. Quem a quiser dar é livre de o fazer. Estou apenas algo indeciso com a escrita de um argumento para um novo filme. Ou uma nova série. Essa é uma das indecisões. A principal dúvida contudo resume-se ao enredo principal do argumento. Estas são as minhas opções:

  • Rapaz vampiro tem relacionamento amoroso com rapariga humana;
  • Rapaz humano tem relacionamento amoroso com rapariga vampira;
  • Rapaz humano tem relacionamento amoroso com vampiros;
  • Rapaz, filho de humana com vampiro não tem sucesso escolar;
  • Rapaz vampiro tem relacionamento problemático com sogros;
  • Rapaz vampiro tem relacionamento amoroso com a sogra;
  • Rapaz vampiro tem insónias e rapariga vestida de enfermeira tenta ajudar;
  • Rapaz vampiro tem relacionamento atribulado com rapariga humana;
  • Rapaz humano tem relacionamento aberto com rapariga humana;
  • Rapaz lobisomem tem relacionamento amoroso com rapariga humana;
  • Rapaz morto-vivo tem relacionamento amoroso com rapariga humana;
  • Rapaz fantasma tem relacionamento amoroso com rapariga humana;
  • Rapaz duende tem varicela com rapariga humana;
  • Rapaz sonâmbulo* tem relacionamento amoroso com rapariga humana;
  • Rapaz-sereia tem relacionamento amoroso com rapariga humana;
  • Rapaz vampiro morde pescoços de raparigas humanas e galinhas;

 

E basicamente é isto. Mas estou mais inclinado para trás e para escrever sobre vampiros. Sinto que é um tema refrescante… sangue fresquinho… que ninguém tem falado ultimamente. Sinto que vou ser considerado um inovador e que tenho um Emmy, um Oscar ou um Globo à minha espera. Ou muito provavelmente os três.

* neste caso, pode ser um sonâmbulo vampiro ou aviador