Este blog contém pus!

economia

COP15

Poderia ser o número de um dos elementos da equipa de râguebi da polícia judiciária, mas não. COP15  foi o nome cheio de estilo com que foi brindada a cimeira de Copenhaga. Aquela sobre os efeitos que os actos do Homem têm e terão nas alterações climáticas da Terra. E do ar. E da àgua. E da bola de futebol. Porque não é so o Beckham que consegue fazer grandes efeitos, o facto de a nova bola do Mundial não ter costuras vai retirar milhares de empregos a crianças da Índia e da China e essas fábricas vão deixar de poluir os rios com restos de cordel de ráfia e passarão apenas a despejar restos de cola e óleo de máquinas.

E agora que findou a cimeira, e tendo em consideração todas as decições radicais tomadas em Copenhaga decidi desde já formular as minhas intenções para 2010.

  • usar os boxers durante pelo menos 20 dias, claro que virando-os metodicamente pelo menos de 5 em 5 dias
  • não mandar os restos de comida para a ribeira; deixar ossos ao cão, espinhas ao gato e cascas de batata ao porco
  • não deixar pingas no tampo da sanita e levantar o mesmo após o uso
  • não largar gáses com tanta frequência devido aos seus efeitos na camada de ozono
  • não queimar fotos de ex-namoradas; cortar apenas as cabeças e colocar as fotos para reciclagem
  • reduzir ao mínimo o uso de papel-higiénico e o abate de árvores, se possível usar papel do jornal desportivo ou papel manteiga
  • tomar banho apenas uma vez por semana, duas em caso de casamento
  • não aquecer charutos com fósforos mas com tocha a gás
  • não usar desodorizante mesmo sendo roll-on, pois nunca se sabe se a bola não poderá rebolar até ao espaço
  • não lavar tantas vezes a roupa; arejá-la, mesmo que só tenha sido usada durante 4 dias consecutivos
  • cuspir e assoar para o chão ou se possível para um canteiro; o uso excessivo de lenços é evitável
  • o cabelo não necessita de lavagem, a gordura e a caspa protegem o couro cabeludo
  • deixar crescer as unhas, estas fazem parte de uma higiene diária cuidada
  • não cozinhar em demasia os alimentos; um pouco de sangue nunca fez mal a ninguém

 

 

Mas tal como em Copenhaga, estas directrizes são meramente indicativas e não vinculativas… logo, poderei mesmo não as seguir e continuar a só tomar banho uma vez por mês!

Anúncios

Oleeeé

Muuuuuuuu…

Por momentos ao visionar o meu canal preferido, aquele que nos traz emoção, incerteza no resultado e momentos de algum riso contido, senti temor. Quase como uma mensagem sublimar, as imagens do Parlamento da Assembleia da República portuguesa indicavam um animal selvagem à solta no hemiciculo.

Inspirei fundo e pensei para mim:

Não. Não pode ser um animal selvagem. O jardim zoológico encontra-se a alguma distância da rua de São Bento, o Ribatejo fica ainda mais longe e no edifício da Assembleia os seguranças pedem identificação ao entrar. Mesmo que o animal com chifres tenha alguma identificação, com os cascos que tem não a consegue agarrar. 

Suspirei. Mimosa.

Será o debate sobre os touros de morte? Será uma atitude de bullying por parte de um deputado do 12º ano? Será o Super-Homem? Não. É apenas o ministro Manuel Pinho na brincadeira!

Já podiam ter dito…

Oleeeeéééé! 

 


O Trabalho – Estudo (1/2)

Acho que se trabalha demais em Portugal

 

Penso que deve haver estudos que demonstram por A + B que o trabalhador português não consegue somar letras e é aquele que na Europa, e talvez no Mundo, é o mais produtivo.

Ou senão, vejamos:

A) Das 8 horas de horário de trabalho o trabalhador português só terá que parar por cansaço apenas uns 5 a 10 minutos diários. 5 a 10 minutos! Volto a escrever, 5 a 10 minutos! Claro que temos que retirar dessas 8 horas cerca de 4 horas e 27 minutos em que o trabalhador previne esse cansaço com algum tipo de vício (e.g. fumar, coçar a micose ou coçar a micose com a mão oposta ao normal). De salientar ainda, a pouca importância que tem a leitura de e-mails de colegas, o uso do jogo de Solitário ou o teclar no messenger com apenas 1h37 a 1h38 gastos. A subtrair, os normais 13 a  64 minutos para tratar da higíene pessoal, como lavar as mãos ou fazer cócó e eis que, sobra ao pobre trabalhador português uma média de 1 hora e 17 minutos para trabalhar, sem descontar é claro, os 5 a 10 minutos. Volto a escrever, 5 a 10 minutos! em que o trabalhador poderá ter que parar por cansaço.

B) Portugal ainda não se afastou do topo da economia pois oiço sempre dizer que ainda continuamos no pelotão. «Portugal continua na cauda do pelotão internacional». Ou seja, como não há fugitivos, se formos bons nos quilómetros finais, e a Espanha nos lançar o sprint, ainda podemos ganhar a clássica. Ou isso, ou tomamos doping. Ou injectamos sangue de tartaruga. O que quer que for bom para chegar em primeiro. Acho que no ciclismo não se ganha nada comprando àrbritos. De qualquer maneira, e o que interessa salientar, é que o belo do trabalhador português continua na corrida!

Por isso, e convocando um silogismo perfeito.

O trabalhador português é aquele que em menos horas de trabalho, trabalha o mesmo que iria trabalhar se tivesse que permancer sentado à frente do computador, secretária ou máquina de coser. Ou talvez mais! E isto meus leitores, não está ao alcance de um qualquer trabalhador ou mesmo daqueles trabalhadores de outros países que se dizem evoluídos.


Crise – O Fim

Solução para a crise

Sem mais demora(s), apresento-lhes a solução para sair da actual crise:

Exportação do cão-de-água português!

Especialmente para os Estados Unidos da América.

n.d.b. E como ficam bem de perfil!

Banco Muito Privado

Não tenho qualquer tipo de fundo ou depósito no BPP (publicidade).

Mas não digo isto com qualquer tipo de emproamento. Não tenho, mas gostava imenso de ter. Dá prazer ver um banco que como o seu nome indica, é privado e a única rãzão da sua existência é o lucro dos seus associados e trabalhadores, e no entanto, é com aprumo e dedicação que tratam os seus CLIENTES!

Não percebo os clientes do BPP (publicidade).

Porque querem eles tirar as poupanças que juntaram ao longo dos anos? Será que eles não percebem que os senhores do banco apenas querem ficar com o dinheiro para gerar mais para eles? Será que não entendem que eles zelam não só pelos interesses dos seus associados e trabalhadores, mas também dos seus clientes? Será que não vêem que estarão a perder dinheiro ao não investir em fundos de grande rentabilidade e lucro quase* garantidos pelo banco? Porque não as colocaram debaixo da almofada como eu?

Eu gostava de ter uma conta no BPP (publicidade).

Temo contudo, que como o seu nome indica seja um banco muito privado e não aceitem qualquer tipo de clientes. Eu sei que até já criaram uma banda virtual (publicidade) mas não sei até que ponto um banco iria aceitar um cliente virtual como eu e iria fazer transações virtuais como forma de sobrevivência!

* activos com variabilidade de 98% com ± 2% de incerteza, rastreados a fundos perdidos (letras pequeninas)