Este blog contém pus!

expressões

Não há um sem o outro!

Ouvi dizer: podia começar assim. Ouvi dizer: não há duas sem três!

E como tal não sei qual o alarido de esta coisa (leia-se blog) fazer o terceiro aniversário, quando toda gente já sabia que após ter feito o segundo iria acontecer o terceiro. Há um ano é que devia ter sido dada o festa de arromba.

Sendo assim, resta-me identificar este momento e perpetuá-lo para a eternidade.

!!! Feliz 3º Aniversário ‘new kids 258’ !!!

Ouvi dizer: não há duas sem três. Mas.. o quê? Não há duas mulheres sem três… carteiras?


Deixa andar…

Não deixes para amanhã… Mentira. Deixa.

Há certas mazelas, dores e afins que devemos deixar andar. Literalmente.

Tratar com calma e nada de nos precipitarmos e ir a correr a uma Farmácia, médico, Urgências, loja dos chineses ou bar de strip. Correr nunca! Principalmente se o problema for no joelho. É que se o joelho estiver dorido e estivermos a tentar resolver o problema em cima do mesmo corremos o risco de nos aleijarmos ainda mais!

Fica o aviso. A não ser que…

A não ser que se tente resolver o problema em cima do outro joelho, o que não está lesionado, e aí já será diferente. Mas de qualquer maneira é deixar andar. Correr nunca!


No Pontal da política

Após a Festa do Pontal, o comício de rentrée política posso destacar:

Meus amigos, vai ser um ano duro. Como perceberam hoje, começou a ‘porrada’.

Pedro Passos Coelho, in Pontal

 

Este homem vive em Massamá, não vive em condomínio fechado.

Mendes Bota, in Pontal (aos 0:38, a seguir à publicidade)

1) Os políticos apresentaram um bronze aceitável

2) Acabou-se o descanso, vai começar a porrada

2) O Mendes Bota está a ver se lincham o Passos Coelho em sua casa

3) O Mendes Bota está mesmo a ver se lincham o Passos Coelho em sua casa

4) Será melhor o Pedro Passos Coelho ir viver para um condomínio fechado

6) Deviam existir condomínios fechados em Massamá vedados ao Mendes Bota

7) Como retaliação, Pedro Passos Coelho deveria dar a morada de Mendes Bota a Manuela Ferreira Leite


Um ar que me deu

Uma dor repentina. Nem sei porque fui cravar os dentes no polegar.

Se tu és ar,
O ar te corto.
Ar da terra,
Ar do vento,
Ar do tempo,
Ar do sol,
Ar da lua,
Ar do mar.
E todo o mal enrodiado
Por Jesus Cristo
O venha tirar.
Ámen.
Em louvor do Santíssimo Sacramento,
Saia todo o mal para fora
E entre o Seu santo bem para dentro.
Ámen.

in Tradições e Superstições  

 

Há tantas e tantas coisas em que se pode pensar apenas com o simples intuito de fazer o trabalho passar mais depressa. Tais como: não pensar no trabalho. Outras vezes é bom pensar em outra coisa qualquer. Por vezes, podemos até inflingir dor em nós mesmo e assim não pensamos no trabalho que temos em mãos. Claro que este modo… pode ser… doloroso. Morder o polegar durante bastante tempo pode criar gangrena, levar à amputação ou chamar a atenção dos seus colegas de trabalho e do chefe. Se esta for a sua escolha mesmo assim, morda um pauzinho de gelado para abafar os gritos de dor. Acredite em mim, eu sei.

Há tantas e tantas coisas em que se pode pensar. No outro dia pensei em hortelã. E ontem pensei em cravar os dentes no polegar. E doeu… porque o fiz. E hoje? Hoje pensei em «AR». Sim, foi um «AR» que me deu. Pensei no «AR» que nos rodeia. Pensei no «AR» que respiramos. Pensei no teu «AR» de parvo. Pensei muito. E no entanto, entre tanto pensamento sobre «AR» acabei por chegar a uma dúvida. E nada pior num encadeamento de pensamentos que uma dúvida. As dúvidas travam o pensamento e em larga escala o progresso! Isto foi o que eu pensei e suponho que seja verdade. Por isso ajude-me a continuar o progresso:

 

Se existe ar comprimido…

Será que existe ar supositório?



Yippie-yi-yo-ki-yay

Yippie!

vs.

Um dos verdadeiros clássicos natalícios…

Sem dúvida o homem é o máááióór! E ao contrário de outros, é uma pessoa preocupada, carinhosa e até meiga. A forma como fica sempre magoado e com uma ferida por cima do sobrolho deixa em mim um grande sentimento de empatia e compaixão pelo personagem.

 

 

Yippie-Kai-Yay Mother Foca!

 

by John McClane (no Brasil, Pai Foca)


Ir à bola

Nunca fui muito à bola com a minha professora de francês.

Não sei se havia sequer necessidade de dizer isto agora mas tenho sido mal influênciado pelas pessoas com quem falo e que dizem mal de todas as pessoas com as quais não costumam ir à bola. Só para terem uma pequena noção, no meu grupo de pessoas conhecidas eu sou de longe a pessoa mais espectacular e simpática, e logo, muito raramente digo mal de outras pessoas. Mesmo em relação às pessoas que não aprecio, quer intelectualmente ou fisicamente. Ou, como algumas pessoas com quem me dou, que dizem mal de outras pessoas simplesmente porque sim… ou melhor, porque não!

– Então porque não gostas dela?
– Não sei. Nunca fui muito à bola com ela.

No entanto, se pensarmos bem, se calhar, não gostamos dessa pessoa precisamente porque não vamos muito à bola com ela. Talvez nem muito, nem pouco. O mais certo mesmo, é nunca termos ido à bola com ela, ponto! Ora, toda gente sabe que num evento social que é ir à bola e vibrar com equipas às riscas, quadrados ou com mascotes com penas, existe a tendência de nos aproximarmos das outras pessoas. Principalmente daquelas pessoas que torcem pelas mesmas cores que nós. Por isso, acaba por se tornar uma redundâcia dizer que não gostamos de uma pessoa só porque nunca fomos muito à bola com ela!

Pena que por agora parece que não vão haver mais jogos… mas lá para Agosto, quando começar nova época desportiva, peço a todas as pessoas, mesmo àquelas que eu me dou, para serem mais cordiais. Se não gostam muito de alguém, convidem-na para ir à bola! De certeza que vão passar a gostar mais dessa pessoa e talvez ainda se tornem amigas. Com sorte, talvez ela ainda vos pague uma bifana e uma imperial!

E aproveito para deixar aqui um convite:

– Stôra, vamos à bOla?


Yes, We…

Can

Tago Mago

1971

1 Paperhouse 7:28
2 Mushroom 4:03
3 Oh Yeah 7:23
4 Halleluhwah 18:32
5 Aumgn 17:37
6 Peking O 11:37
7 Bring Me Coffee or Tea 6:47


Presidência I

Fazer exercício faz bem à saúde. Quem o diz sou eu!

Agora podem dizer que muitas outras pessoas já o disseram mas nenhuma delas o disse ou escreveu aqui. Tudo isto para dizer o quê? Nada… Eu até só queria falar de pára-choques traseiros. Ou de iogurtes com pedaços de morango. Entre esses assuntos tanto me faz, devo dizer no entanto que já que comecei a falar sobre exercício, agora vou continuar.

Exercício faz bem à saúde.

 

Aliás, deve ser por isso que agora até os presidentes e primeiros-ministros o fazem. Os pássaros fazem-no. As abelhas fazem-no. Longe vão os tempos em que se viam aqueles soberanos gordos, em que só um quadro 16-9 os conseguia pincelar na sua totalidade. O que mais se ouve agora é:

– O presidente em exercício… [acção] em [local] [data (facultativo)].

Ou seja, os soberanos da actualidade não se limitam a caçar veados (ou serão corças?)… Os soberanos também praticam muito exercício. O que até poderia ser algo bom, manterem-se saudáveis e tal, mas que na minha perspectiva acarreta um senão:

Senão.

Estando os soberanos sempre em exercício e em excelente forma física não os arreda de outras funções, tais como:

A governativa?


Borne Ultimatum

Borne 2B Wild


Cozinho para o Povo

 

Não me apetece fazer um bacalhau.

É natural que um cozinheiro fique farto de cozinhar sempre o mesmo.

Às terças há bacalhau cozido com grão.

Às quintas há cozido.

Mas eu só quero uma bifana e uma hamburguesa especial!

Isto é uma cozinha gourmet.

Não me apetece fazer um boi.

Mas boi até pode ser requintado.

E existem 1001 maneiras de fazer bacalhau.

Não faria mais sentido a expressão, não me apetece fazer bifanas?

Ou não me apetece fazer pescada cozida?

Não me apetece fazer canja.

Não me apetece fazer empadão.

Não me apetece fazer peva. Não me apetece fazer nenhum.

Por acaso nunca provei peva.

Acho que sabe a nicles. Nicles batatoides.

 


Fulano passa para Sicrano

Como sou um boneco, não me interesso muito por desporto. Aliás, o facto de ser 2D não me permite interagir com objectos esféricos ou prismas quadrangulares. Dito isto, sei que tais celebrações sociais fazem parte da vida real e em algum ponto me vou cruzar com elas.

«Fulano, 1 metro e 80, olhos azuis, solteiro, calça o 43.»

Por exemplo, estava eu a fazer um zapping com um span de 45 canais quando passei por um em que estava a dar um jogo de futebol. Por vezes reduzo o zapping a alguns temas e canais situados mais próximos e não a toda lista de canais. Sou assim, reducionista. Não fosse eu ter passado de 3D para 2D! E por momentos fiquei atento ao que se passava no ecrã da televisão e também ao som vindo das colunas da mesma:

«Fulano… Sicrano, faz 1-2 com Beltrano e endossa novamente a Fulano…»

E acontece que quando o jogador, Fulano, que estava a arrepiar caminho pela zona lateral do terreno com a bola bem controlada e onde poderia criar perigo, faz uma inflexão para o interior do terreno para uma área concomitante com outros colegas de equipa e também outros colegas, adversários no jogo, formando o chamado imbróglio, ao que o comentador interpreta e esclarece:

«Fulano não consegue dar profundidade à equipa!»

Pensei que os relatadores e comentadores desportivos em geral, e de futebol em particular fossem criaturas dotadas de uma intelegência superior* e de um raciocínio lógico evoluido* mas talvez esteja errado. Talvez seja por eu ser um boneco mas… não dar profundidade a uma equipa… não será algo de bom? Se ele não dá profundidade, pelo menos não a afunda! Ou não a enterra… Certo!?

* i.e. parecido à/ao meu


À toa…

Aviso já, se me vierem pedir sugestões:

Não dou recomendações à toa.

Dou à Maria ou ao Manuel, mas não à toa!


Silogismo Mais-Que-Perfeito

 

 

Tenho andado muito pensativo. E quando assim é, em tudo o que oiço, vejo ou toco encontro um padrão, relação ou lógica… por vezes até onde não existe.

No entanto, no caso que vos venho demonstrar, existe um silogismo mais-que-perfeito! Aliás, um silogismo mais-que-prefeito como o tempo verbal, e não, como algum presidente de Câmara do Brasil. Este silogismo que vos trago vem pôr cobro a uma dúvida inquetante da nossa sociedade. Dúvida essa, que nem mesmo grandes matemáticos, físicos ou biólogos conseguiram responder. Nem mesmo bioquímicos ou táxistas! Este silogismo pega numa frase de um qualquer pensador livre e numa constatação prática e transforma uma incerteza… em um dogma!

Este silogismo prova que também existem morenas louras!

“Existem morenas boas como o milho.”
 O milho é amarelo.
 Logo, existem morenas louras!

Ou loiras, se preferirem.


Uma sesta

Acho que vou passar pelas brasas… Bem, mas se for só para passar por elas enquanto estiver a dormir… prefiro ficar acordado! 


Presente

Não digam a ninguém, mas hoje fui às escondidas chocalhar as minhas prendas e elas disseram:

 

Presente!

 

É caso para dizer, toma e embrulha. E não chocalhes.


Aí, à porta!

Queria evitar ao máximo falar do Natal.

Acho que cada vez mais se tornou uma febre consumista em luta directa com a gripe sazonal e que nem a recém-aparecida gripe A a consegue destronar dos primeiros lugares das audiências. Seja entre anúncios de brinquedos a promoções de Natal que começaram desde Novembro parece que a Maria do Jesus teve um parto difícil e prolongado.

Portantos, é mais que inegável que o Natal já está aí à porta.

Dito isto, ontem pareceu-me ouvir qualquer coisa e fui ver espreitei, mas quando abri não estava lá nada nem ninguém. Se calhar, o Natal ainda só está aí e ainda não chegou aqui.

Portantos, parece que vou ter que esperar no mínimo mais uns dias.


memento mori

… viver todos os mementos como se fossem os últimos…

… viver todos os mementos como se fossem os únicos…

 

 SG13 7IU

 

 

Remember Sammy Jenkis

Cheiro a cavalo

Ao ler este artigo está a doar 5 cent. a uma conta humanitária sediada na Suíça*.

 

Longe vão os tempos em que os odores emanados pelo corpo humanos eram vistos… perdão… cheirados de forma repugnante.

Se por vezes poderá estar dentro do limite do aceitável quando numa actividade física sem jockeys se sente um ligeiro aroma, uma fragância mundialmente reconhecida como o cheiro a cavalo, esse aroma propagado para o local de trabalho fica, como direi…(?) Bem, talvez até vocês o consigam definir, cheirar e repugnar melhor que eu pois ando um pouco constipado. Inverno e tal. Mas basicamente fica insuportável e se temos que o fazer entender a um colega para nosso bem, parece que é para nós que fica constrangedor. Então se for um colega do sexo masculino  poderemos até esperar um sorriso maroto, de algo parecido a uma vitória. Mas temos que o dizer. Coiso, desodorizante. Se faz favor.

Se for a UM colega do sexo feminino… Bem! Nem quero pensar nisso.

No entanto há notar que estes tipos de odores corporais (*aparte* odor corporal, onde já ouvi isto??) já foram aceites e úteis em sociedade, quer nos preliminares ao acto de acasalamento, quer na demarcação do território. É certo que alguns de nós ainda não eram nascidos quando tal aconteceu, mas isso não é razão para dizer que não aconteceu. Está nos livros! E se os leitores pensarem um pouco, de certeza que até se lembram do famoso, do infame, do ignóbil, do peidinho da avó.

Pois bem, e agora no que me faz parecer um regresso a esse passado e a um odor mui popularizado por vários artistas de nomeada, até de outras formas de arte, como gastronómica ou musical, os grandes criadores de perfume voltaram-se novamente para as essências corporais básicas. E quando eu digo básicas… BEM!

 

Ele há coisas que não saiem de moda! 

 

* Acontece muitas vezes quando se diz Suíça e Suécia muitas vezes seguidas e alternadamente se acaba por dizer Suícia. No entanto, isso é um erro e esse país não existe. A Suícia nada tem a ver com a Suécia e a Suécia nada tem a haver da Suíça, pois lá não se guarda dinheiro de contas humanitárias secretas e não se canta o tirolês.


?uestão!

Como surge sempre a dúvida  entre cortar, ou não(!), todo o mal pela raíz, nomeadamente no que diz respeito à jardinagem artística e a ervas daninhas no particular, este blog digna-se de num trabalho de pesquisa exemplar, intenso e profundo (quase diríamos, até à raiz do problema) de entrevistar especialistas estrangeiros com o intuito de ficar a saber a resposta a esta pergunta e à solução futura para todos os problemas enraizados.

Como o aparte estava a ficar longo, aqui fica, sem mais demoras e devidamente legendado, os especialistas na poda. E no mal pela raíz.

The Roots. Artista

Things Fall Apart. Álbum

1999. Ano

54. Act Won (Things Fall Apart) 0:54
55. Table Of Contents (Parts 1 & 2) 3:37
56. The Next Movement 4:10
57. Step Into The Realm 2:49
58. The Spark 3:52
59. Dynamite! 4:45
60. Without A Doubt 4:14
61. Ain’t Sayin’ Nothin’ New 4:34
62. Double Trouble 5:50
63. Act Too (The Love Of My Life) 4:54
64. 100% Dundee 3:53
65. Diedre Vs. Dice 0:47
66. Adrenaline! 4:27
67. 3rd Acts: ? Vs. Scratch 2… Electric Boogaloo 0:51
68. You Got Me 4:19
69. Don’t See Us 4:30
70. The Return To Innocence Lost 11:55

71?


Pára, escuta e olha (uma metáfora visual)

ATENÇÃO

PÁRA

ESCUTA

OLHA!


TXDRM 1a.

Ma(n)gusto!

 

Se a minha avó tivesse rodas… era um alce!?


O último Tango…

 

Unesco: Tango elevado a Património da Humanidade

A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) incluiu o tango da Argentina e do Uruguai na Lista Representativa do Património Imaterial da Humanidade.

#4.  Só gostava de saber porquê tornar património da Humanidade uma bebida horrível que ao que parece até já foi banida em França? Aliás, penso que todos sabemos onde foi feito o último Tango*. E se a capital do trés chic recusa esta união complexa de sabores »»»»»»»»»»»»» vamos celebrar misturadas do 3º Mundo? Não compreendo. Não compreendo. Sinto-me até aborrecido com esta situação. Vou raspar os pulsos.

* “O último Tango de Paris” é o filme-metáfora para a expressão “Quem não tem cão caça com gato!” Sendo o gato uma barra de manteiga.

Dia de reflexão

Primeiro, um alerta sério para os jovens votantes do dia de amanhã. Apesar de hoje ser o dia de reflexão, por favor não se coloquem à janela á espera que os raios ultra-violeta façam ricochete.

 

Ai os jovens de hoje em dia.

Pode-se ouvir por diversas vezes os cidadãos seniores a murmurar em jeito de crítica. Talvez como que a culpar pela situação actual do país… acho eu.

Ai os jovens de hoje em dia, sempre à janela ainda apanham câncaro.

A verdade é que ontem estive a pensar. Sei que foi um dia antes da data prevista, mas foi uma espécie de dia de reflexão do dia de reflexão. Mas não tenham medo, não vou estar por aí a pensar todos os dias. Isto não é viciante… acho eu.

Começando. Estive a pensar que quem for votar agora pela primeira vez terá cerca de 20 anos, mais 2 anos, menos 2 anos. Isto, exceptuando se for ucraniano e aí pode ter a idade de um professor ou médico que trabalha nas obras ou se for de origem africana e aí a idade já depende da qualidade da catana e de quando foram registados. Atenção que, esta piada de índole racista não faz parte de nenhum programa de algum partido político… acho eu.

Cronologicamente falando, os jovens de hoje em dia terão nascido fruto dos últimos (primeiros) 35 anos de democracia e liberdade. Há quem diga mesmo que esses jovens terão nascido porque os seus pais fizeram o amor mas eu não acredito muito nessa versão e prefiro a minha versão romântica.

Continuando, se os pais dos jovens de hoje em dia viveram a sua vida adulta a poder votar e escolher livremente o futuro do nosso país devem-nos aos seus avós que fizeram o 25 de Abril. Bem, o 25 de Abril já existia, eles apenas resolveram fazer uma revolução e criar um feriado nesse dia. Há quem dia até, que esse feriado apenas foi criado para que os seus filhos pudessem votar em consciência mas… eu não acredito muito nisso. Se eles soubessem o que a consciência dos seus filhos andou a lixar nos últimos 30 anos de escolha livre acho que teriam preferido passar o voto logo os seus netos, os jovens de hoje em dia e deixavam os filhos escolherem mais tarde quando fossem conscientes… acho eu.

Concluindo, jovens de hoje em dia, tenham cuidado com os raios UV, dêem uma boa deliberada e amanhã votem com muita consciência.